Desde a sua instalação (1889), Câmara Municipal de Itaperuna vive os seus piores momentos

Ontem (12), fatos bizarros visivelmente percebíveis, por falta de habilidade política na condução dos trabalhos daquela Casa, desconhecimento da Lei Orgânica e do Regimento Interno, leva a Câmara a Câmara Municipal Centenária a viver, em toda a sua trajetória, os seus piores momentos.

Para quem presenciou ou assistiu a sessão, viveu momentos vexatória, revoltante e desprezível, pois o plenário foi transformado num verdadeiro picadeiro, jamais visto.

A presidente da Câmara, Amanda Correa Braga Pacheco, mesmo com a discordância da maioria dos Vereadores, alterou a ordem da sessão, aparentemente com objetivo de prendê-los em suas bancadas, e a requerimento, concede “direito de resposta” ao ex-secretário municipal e educação e atual secretário de governo, Franciney Luiz de França, fato inédito nos anais daquela Casa Legislativa, pois as palavras ditas pelos vereadores no plenário, são protegidas pela Constituição Federal e aqueles que se sentirem ofendidos, teria que utilizar dos meios judiciais.

Ao que parece, o legislativo e o executivo se fundiram, e a aparência de mando do prefeito Marcus Vinicius, reina sobre aquela administração.

O vilão é o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, que tomou para si a rédea da fiscalização, e a justiça, que é cega e toma as suas decisões com embasamento jurídico, que muitas das vezes não agrada a todos, principalmente aqueles que vivenciam o dia a dia da administração municipal, “a catastrófica proposta de mudança”.

A sessão virá uma desordem, pois a presidente Amanda deixa de lado lei Maior e o estatuto daquela casa e permite que o secretário de governo França Bombeiro, transformasse o plenário, em uma sala de aula e com isso pode chamar a atenção individual e de forma grosseira, citando o nome de alguns vereadores de oposição, que tiveram que ouvir calados do professor, que alegou que em sessões anteriores da tribuna, usaram palavras que poderia sofrer processos judiciais, pois acusaram o prefeito Vinicius e o então secretário de educação, que na compra dos kits escolares, ter havido superfaturamento e dimensionamento superior de alunos, e na contratação da merenda, foi feita sem licitação e com um preço vultoso, os alunos recebendo uma  péssima alimentação, tais como: angu com feijão, farinha com feijão, melancia, etc, e que não poderia acusá-los, pois o processo ainda não transitou em todas as suas fases.

Ao final, para tentar remediar a aberrante atitude, a presidente Amanda, concede aos vereadores o direito de fazerem duas perguntas ao secretário França e posteriormente fazer suas considerações finais, o que não ocorreu.

O vereador Glauber Bastos, que é bacharel em direito, no uso da palavra, demonstra ter total desconhecimento jurídico, quando ler e tenta fazer uma interpretação da decisão sumária do juízo da Vara da Fazenda Pública, que rejeita as preliminares arguidas pelo Ministério Público Estadual, na ação de improbidade administrativa proposta contra o prefeito Marcus Vinicius, o Município de Itaperuna e a Câmara Municipal, tendo como base o ofício da presidente da Câmara de Vereadores, Amanda Correa Braga Pacheco, que mesmo sem ter sido notificada, disse que projeto de lei aprovado, sancionada e publicada pela administração municipal, foi o transitada pela Casa Legislativa, tomando para si a responsabilidade de provar em juízo ou em uma possível investigação, através de uma Comissão Especial de Inquérito – CEI, que pode ser aberta pelos vereadores daquela Casa, para apurar o fato de ter três projetos de leis no acervo da Câmara, sendo certo que o executivo só protocolou dois projetos. Não satisfeito, ele ataca os vereadores da oposição, alegando que era decisão final do juízo, e por fim se vira contra o vice-prefeito Rogerinho, que estava assistindo a sessão, sem nenhuma manifestação.

O tempo fechou, e a presidente Amanda não deixa os vereadores ofendidos se defenderem das acusações, que pelo visto, só é permitido aos políticos do grupo que ela faz parte.

Categories: POLÍTICA

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Powered by themekiller.com